Facebook


Pesquisar no blog

sábado, 17 de maio de 2014

AB$ & GEI$$E X B&B


As anteriores matérias, “Champagne”, devem ter tocado fundo em renomado predador-produtor de vinhos.

Disfarçado de defensor da AB$, o predador-produtor quer, na realidade fazer a apologia da Gei$$e.

Leiam o comentário.

Meu caro "Bacco" rs, Determinadas abordagens devem ser um pouco mais humildes quando o autor delas carecer de conhecimento sobre a matéria, do contrário, faltará bom senso. Matéria que eu digo é sobre vinho no geral e não somente sobre Champagnes.

Aliás, no universo do vinho, devemos sempre ter cautela e humildade antes de tentar passar qualquer informação. Algo novo sempre baterá em nossa porta e podemos ser surpreendidos. É exatamente isso que faz desse universo tão belo e fascinante. Pois bem, saber, ou simplesmente escrever sobre siglas de garrafas de Champagne, nomes de alguns produtores, e classificações em blogs não lhe da condição de criticar qualquer associação que seja, mesmo porque, é através de atitudes como essa que identificamos os "aventureiros," que através de blogs colocam suas emoções pra fora contaminando a bebida do verdadeiro Baco. rs Já está bem demodê esse modelito de blog não acha? Ou você descobriu o Brasil?? rs A proprósito, aí vai um bom livro pra você, Champagne de Gerhard Eichelmann. Outro ponto a ser abordado é em relação ao Cave Geisse Blanc de Blancs Brut que o "Bacco" achou caro. Puxa vida. Esse "Bacco" sabe das coisas. Sabe das coisas porque não fez ABS! rs Meu caro, segundo o IBPT, 64% do valor de um vinho nacional é de puro imposto! E do nosso governo você se esquece? Aí você critica a vinícola dizendo que a mesma é uma predadora, que aos trancos e barrancos tenta se adequar aos buracos fundos que esse miserável governo cava. Quer uma dica, utilize seu espaço para informações mais concretas.. Em relação as informações sobre Champagne ótimo, mas não se utilize disso para fazer criticas infundadas, afinal é muito pouco! Quero deixar claro que não fiz ABS e não tenho participação em nenhuma vinícola nacional, entretanto devemos ser justos. E humildes, claro. Abraço "Bacco" rs

 


Dionísio responde

 

Meu caro "Bacco" rs, Determinadas abordagens devem ser um pouco mais humildes quando o autor delas carecer de conhecimento sobre a matéria, do contrário, faltará bom senso. Matéria que eu digo é sobre vinho no geral e não somente sobre Champagnes.

 

Nosso crítico já começa o comentário tropeçando: O autor da matéria, quem aborda sem muita humildade e carecendo de conhecimento, sou eu, Dionísio e não Bacco.

Outro tropeço, do anônimo” ma non troppo”, ocorre quando o trôpego escreve “Champagnes”.

Claudicante defensor dos “Gei$$e Predadores de Vinho”, Champagne é uma região francesa e, assim como não existem “Santas Catarinas”, “Rios Grandes dos Suis”, não há “Champagnes”.

Feita a correção, continuemos.

 

Pois bem, saber, ou simplesmente escrever sobre siglas de garrafas de Champagne, nomes de alguns produtores, e classificações em blogs não lhe da condição de criticar qualquer associação que seja, mesmo porque, é através de atitudes como essa que identificamos os "aventureiros," que através de blogs colocam suas emoções pra fora contaminando a bebida do verdadeiro Baco. rs Já está bem demodê esse modelito de blog não acha? Ou você descobriu o Brasil??

A condição de criticar, quem quer que seja, nasce de nossa independência.

Quem, com suas emoções, vive este momento lindo é o Roberto Carlos.

  Quem contamina a bebida de Baco, inundando o mercado com vinhos produzidos com uva Niágara, Santa Isabel, Bordô etc., são os predadores que você tanto (desinteressadamente?) defende.
 

Mais uma coisa: Quem descobriu o Brasil, não fui eu, foi o chileno, Gei$$e, que deixou sua terra ao perceber que havia, em nosso país, uma enormidade de   eno-otários que pagaria os tubos para comprar seus caríssimos espumantes.

 


Outro ponto a ser abordado é em relação ao Cave Geisse Blanc de Blancs Brut que o "Bacco" achou caro. Puxa vida. Esse "Bacco" sabe das coisas. Sabe das coisas porque não fez ABS! rs Meu caro, segundo o IBPT, 64% do valor de um vinho nacional é de puro imposto! E do nosso governo você se esquece? Aí você critica a vinícola dizendo que a mesma é uma predadora, que aos trancos e barrancos tenta se adequar aos buracos fundos que esse miserável governo cava. Sem falar que a mesma possui o mesmo método de produção da gloriosa Champagne e fica 28 meses em autólise.

Agora os Gei$$e se revelam, como sempre ocorre quando criticados, e furiosos mostram os caninos e babam de raiva.
 

Meu querido você acha que na Europa não há impostos?

Você acha que a carga tributária é menor do que a brasileira?

A predadora Gei$$e “…que aos trancos e barrancos tenta se adequar aos buracos fundos” (cada um tem o buraco que merece...) que não existia até 78, já em 79 inicia sua atividade após a aquisição de 35 hectares.

 

Quer uma dica, utilize seu espaço para informações mais concretas.

 

Vamos para as informações mais concretas.

Caro anônimo, “ma non troppo”, quanto custaram os 35 hectares em Pinto Bandeira?

Tanto quanto custariam, 35 hectares, na região Champagne?

Na Champagne um hectare custa, como já informamos na matéria anterior, 700 mil Euros.

Em 1979 a GEI$$E já possuía mais vinhedos do que renomadas e centenárias maisons de Champagne

Veja:
KRUG, fundada em 1838 possui 21 hectares.
 

DEUTZ, fundada em 1943 possui 37 hectares

BILLECARD-SALMON, fundada em 1818 possui 11 hectares

JACQUESSON, fundada em 1798 possui 33 hectares.

 

Mais uma informação concreta:

As uvas Pinot Noir e Chardonnay custam, na Champagne, em média, 5 Euros (R$ 16)

No Brasil as mesmas uvas custam:

 Pinot Noir R$ 1,3769, Chardonnay R$ 1,4533.
Veja http://www.uvibra.com.br/pdf/tabela_uva_2012_2013_OFICIAL_CONAB_01_02_13.pdf

Para produzir uma garrafa de espumante são necessários, no máximo, 1,5 kg de uva

O valor da matéria prima, para produzir uma garrafa de Champagne, custa 7,5 Euros (R$ 24)

A mesmíssima matéria prima custa para a Vinícola Amadeu, no máximo (arredondei para R$ 1,5 o quilo), R$ 2,25 (0,70 Euros)

Caro anônimo “ma non troppo”, que está metendo a mão?

A GEI$$E, que lasca R$ 85 no seu Blanc de Blanc, ou o viticultor PHILIPPE DUMONT que vende o seu produto por 16,50 Euros (52,8 R$)?

No Brasil falta seriedade, transparência, mas sobra competência para estuprar enófilo e consumidor.
 

Antes de bufar contra B&B, caro anônimo “ma non troppo”, pense duas vezes........ Nos, sabemos das coisas….  

Dionísio

 

18 comentários:

  1. Dionísio, favor esclarecer o plural de Champagne....no pai dos "........." (LEIA-SE DICIONÁRIO), me parece que existe essa palavra no plural. Acho melhor você apagar esse blog e construir outro com outro nome, porque esse aqui já era!!! Descrédito total!! kkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem ou mal esse blog oferece vozes que sao dissonantes ou que nao estao em acordo com tudo que produtores e importadores fazem. O que ha de blog que puxa-saco de todos por ai eh para chorar. Alguns nomes sao conhecidos aqui, mas ha outros que escaparam, por enquanto.

      Nao concordo com tudo que escrevem aqui, nem gosto de tudo que escrevem, mas ao menos oferecem algo de diferente na mesmice dos blogueiros de google, dos que copiam e colam somente, e das opinioes sempre favoraveis....

      Salame, Bilu Teteia, Oscar Amauri Jr, Camomila Sonifera, Casa Malduga, Escarraro, Miolo Mole, aquele um que acha remedios em todo vinho, abs, sbav, cabernello, restaurante e chef blef, criticos blef sao algumas contribuicoes a debate inciados aqui.

      Tomador de vinho chapa branca: Toma gei$$e (de preferencia em eventos de graca) e arrota champagne. Come a Gretchen com viagra sonhando com o que poderia ser mesmo uma Catherine Deneuve (nos bons tempos).

      Excluir
    2. O plural "Champagnes" não existe! Quando abrasileiramos e escrevemos "Champanhe" , aí sim há o plural Champanhes.
      Lembranças ao seu pai dos.....

      Excluir
  2. Ow Fubanga anonimo,o descrédito vem de sua análise tendenciosa,eu acredito nesse blog.Menos,meu filho,menos.

    ResponderExcluir
  3. Quando não nos referimos a região propriamente dita e sim a bebida é claro que existe o plural! Já tá sem foco esse tal de Dionísio hein....

    ResponderExcluir
  4. Hum... a autoria do comentário acima não é de `C.Camomila`? Podia imaginar que sim, pela quantidade de `relinchos`, quis dizer, risos...mas, sobretudo pela forma de `sabida`...

    E.F.

    ResponderExcluir
  5. Pestes do espelho do banheiro da escola:

    Se voces consideram as Ab$ e $bav$ como armadilhas caras que nao ensinam, tentem dar uma olhada nos clones (mal feitos) dessas que estao por ai.

    Em alguns casos as vitimas (alunos) tem aula pratica em Sao Roque....Minas Gerais....

    Nossa, por que sera que esse mercado do vinho nao cresce?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sei exatamente onde essa discussão começou, mas que o mercado do vinho não cresce em função de pessoas intransigentes e ignorantes como os responsáveis por este blog isso é fato! Gostaria de parabenizar a pessoa que escreveu o texto o qual este mesmo blogueiro tenta atacar...deixo aqui registrado meu profundo descontentamento, e naturalmente procurarei outras fontes para troca de informações relacionadas ao vinho. Antonio Carlos Carvalho

      Excluir
    2. Os que estão atacando o blog parecem a turma do PT: Atacam sem argumentos . Atacam por atacar! Quero uma resposta , por exemplo, sobre o preço da uva do Champanhe , dos espumantes brasileiros e o pq dos preços praticados pelos predadores gaúchos. Até agora , sobre isso, nem uma palavra dos que atacam o blog.

      Excluir
    3. Mas é um desavisado mesmo...em primeiro, preste a atenção no que lê...segundo, não sabe o escrever, não escreva nada...veja que no texto o qual este mesmo blogueiro tenta atacar há uma manifestação contra a turma do PT a você mesmo refere....é sabido por todos (creio que sim) que o Brasil é o pior país em retorno dos impostos que você, eu e o blogueiro bisonho paga! Na França há muito mais incentivos e isenções fiscais quando se trata de fazer vinhos!!! Essa é a resposta para esse bando de xucros que acham sabem alguma coisa e atacam quem não deve ser atacado. Mas eu entendo esses zarolhos que fazem essas críticas, pois a falta de leitura séria e contato com a verdadeira realidade emburrecem as pessoas....E olha, se o blogueiro tiver a capacidade de procurar a palavra Champagnes, em qualquer canto do mundo, quando a mesma se referir a bebida, saberá que existe sua forma no plural...agora podem relinchar, afinal a orelha de vocês é muito maior!!! hahahahahah

      Excluir
  6. é a turma dos blogs meia sola que estão sendo sustentados por importadores e produtores do sul. Quero saber porque a uva , no Brasil, custa 4% da francesa e o preço do espumante nacional é mais caro do que o francês .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então compra Champagne Zé Ruela!!!!!

      Excluir
  7. ah mas a gente já sabe a resposta... são os impostos!! sempre os impostos.
    O pessoal só esquece que a história dos impostos vale pra responder pq é tão caro, mas não pra responder pq é mais caro que o produto europeu, afinal, eles também sofrem um imposto pesado de importação, próximo da carga tributária do vinho nacional.

    A desculpa é sempre a mesma, mas a resposta não convence. Aí de tempos em tempos vemos produtos mudando seu posicionamento e a gente se pergunta, 'pq não vendia a esse preço antes?'

    Um caso é o meia-sola woodbridge, dos mondavi (um miolo americano, no sentido predatório da palavra). Até alguns meses atrás valia cerca de 60 pila. Agora, pós-reposicionamento, the very same bottle custa 40 e baixos, competindo com Alamos e afins. Por 60 era um vinho que não valia a pena, por 40 e baixos (trinta e alto em promoções), vc começa a considerar, dadas as opções no mercado. E pq o cara baixa em 33% o preço? Uma inovação processual/tecnológica na produção? Corte de impostos? Ta comprando uva mais barato? Não! Nada disso! Só não ta mais repassando margens absurdas ao consumidor.

    consumidores comprando o mesmo produto, agora mais barato. Comerciantes vendendo mais, suponho, que anteriormente. E assim todos agradecem.

    ResponderExcluir
  8. Dionisio

    Duas coisas: A tabela de preco minimo das uvas nunca eh cumprida pelo comprador. Ai ja ha aumento da margem do predador (que tambem nao paga em dia).

    E veja o quanto custa a menos uva americana que vai tambem na mistura do vinho espumante flex (ilegalmente, claro). Mais margens aos predadores.

    Sem mais.

    ResponderExcluir
  9. O mercado de vinhos nao cresce no pais porque quem escreve nesse blog nao sabe o plural correto de champagne. Era isso que faltava para o mercado deslanchar.


    ResponderExcluir
  10. No dia em que as grandes redes de supermercados resolverem realmente investir pesado na comercialização de vinhos muita gente gananciosa irá quebrar. Na Europa ninguém tem preconceito quanto a comprar seus vinhos do dia a dia em supermercados. No Rio de Janeiro um supermercado de propriedade de família portuguesa trabalha com preços muita das vezes de um terço dos mesmos vinhos encontrados em lojas e importadoras que vendem pela Internet. Tudo bem que a oferta é limitada em termo de novidades e pequenos produtores. Mas nunca tive uma garrafa com vinho defeituoso comprado lá. Essa conversa de que vinho é tratado como um bebê nas lojas metidinhas a besta é pura balela. Eu já vi os depósitos de algumas!

    Bom, mas isso tem a ver com os comerciantes. Os produtores nacionais são outra questão. Mas os defeito é mesmo, a ganância. Praticam margens absurdas, mas trabalham por consequência com pequenos volumes. Para desenvolver o mercado esses produtores, e os comerciantes também, teriam de deixar de raciocinar em termos de margem de lucro, e raciocinar sim em receita marginal. Mas isso é coisa de americano, não tem tradução ainda para os neurônios tupiniquins.

    O que me espanta é a cambada de pseudo jornalistas e blogueiros admiradores de boca livre (até viagens à Europa descolam) que é sustentada por esses empresários e suas escandalosas margens de lucro. Eu tenho que pagar por essa farra no vinho que bebo? Negativo! Compro meus vinhos do dia a dia em supermercados ou quando realmente boas ofertas aparecem de quem está em aperto de caixa. Quanto aos vinhos melhorezinhos, trago quando viajo a minha cota e a de minha mulher só em preciosas garrafinhas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Affonso,

      assunto com muitas camadas ao mesmo tempo, mas nao tao complicado de entender o que ocorre no bananao. Sua linha de pensamento esta no caminho certo.

      Comerciantes com muita ganancia, pouco conhecimento, muita ignorancia, muita pressa, pouco caixa.

      Mao de obra com muita ganancia, pouco conhecimento, muita ignorancia, muita pressa, pouco caixa.

      Clientes com pouco conhecimento, muita ignorancia, pouco caixa.

      Deixando custo Brasil de fora (envolve corrupcao, logistica, impostos) temos uma receita infalivel para um mercao anao onde poucos se divertem e o restante so range dentes e paga juros.

      Hoje ja tive um bate boca com um lojista que estava questionando meus precos. A ostra nao sabia nem fazer conta de divisao de A/B para determinar o markup. Como consegue pegar um metro ou onibus? Como consegue abrir a porta de um carro uma pessoa dessas? Como liga um forno de microondas?

      Cara....

      Excluir
    2. concordo John Big Rat

      Excluir