Facebook


Pesquisar no blog

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

OS 510 MILHÕES DO PROSECCO


 


Enquanto a Toscana chora a perda da Biondi-Santi para os franceses o Veneto e Venezia-Giulia comemoram mais um ano de estrondoso sucesso do Prosecco.

Alguns números: O Prosecco fechará o ano de 2016 com uma produção de 510 milhões de garrafas.
 
 
A DOC "Prosecco", responsável pelo vinho produzido nas províncias de Treviso, Venezia, Vicenza, Belluno, Padova (Veneto) e nas províncias de Gorizia, Pordenone, Trieste e Udine (Venezia Giulia), inundará o mercado com 420 milhões de garrafa.
 
 

A DOCG dos vinhos que nascem nas videiras de Conegliano, Valdobbiadene e Asolo, com "apenas" 90 milhões de garrafa, completará os 510 milhões da produção do espumante de maior sucesso do momento.

No universo "Prosecco" gravitam 13.500 produtores, 1.380 vinícolas e 300 engarrafadores e o volume do negócio atinge 2,5 bilhões de Euros.

O incrível sucesso do "Prosecco" confirma aquilo que sempre desconfiei e pensei: a maioria dos enófilos não entende bosta nenhuma de vinho.

O baixo preço do Prosecco, que oscila de 3 a 10 Euros, é a mais importante razão de seu sucesso, mas não a única.
 

O "boom", do vinho veneto, me faz lembrar os dias de glória do Lambrusco que os americanos, na década de 80/90, bebiam com se fosse água....

Raymond Chandler costumava dizer que os americanos comiam qualquer coisa, que coubesse entre duas fatias de pão, coberta por uma folha de alface murcha e que pingasse quando mordida.

 

Perfeito!

Eu acrescentaria:..... e bebe qualquer coisa que faça espuma e bolhas (Coca-Cola em primeiro lugar)

Não é surpresa, então, que quase 60%, das exportações do Prosecco, sejam destinados ao mercado e taças americanas.

A constante e exagerada demanda resulta na incontrolável expansão da área plantada.

 A pequena denominação, que nasceu nas colinas de Asolo, Conegliano e Valdobbiadene, se alastrou além das fronteiras do Veneto, atingiu a Venezia-Giulia e já está se programando o plantio de mais 3.000 hectares de vinhas que em breve se juntarão aos 24.000 já existentes.

Os valores dos vinhedos atingiram cifras proibitivas e irreais.

O valor médio de um hectare, cultivado com uva Glera, gira em torno de 320/380 mil Euros e alcança incrível 1,2 milhão nas colinas de "Cartizze".

 

"Cartizze", pequena colina (107 hectares), no município de Valdobbiadene, é responsável pela produção do melhor e mais badalado Prosecco.

É bom lembrar que o "Cartizze", produzido com o método "Charmat", atinge valores que oscilam de 15 a 20 Euros nas prateleiras das lojas especializadas e dos supermercados.

  Com menos de 20 Euros é possível comprar ótimas garrafas de espumante "Método Clássico" infinitamente superior.

Exemplo: O "Ferrari Brut" custa 12 Euros.

 

Não há no horizonte, por enquanto, nenhuma nuvem que indique uma tempestade no mundo do Prosecco e, em 2017, a produção certamente será ainda maior, mas a qualidade será a porcaria de sempre.

Viva o Champanhe, Franciacorta, Trento, Murganheira....

Dionísio

14 comentários:

  1. 15 a 20 euros (preço do Cartizze) é quase território de champagne... vários pequenos produtores vendem as deles por esse preço na França. só de ver que a Mistral tem um prosecco de Cartizze no portfólio já dá para saber que é predação.

    Dionísio, o Bacco fez uma série de matérias sobre a ribolla gialla mas faltou o fecho, com os produtores que ele recomenda (além do Gravner e os outros que custam caro). vi a referência ao Friuli-Veneza Giulia e me lembrei disso, dá um toque nele!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Toquei, mas ele não se tocou......ainda kkkkkkk

      Excluir
  2. Dionisio,
    Boa a citação do Murganheira.
    Salu2,
    Jean

    ResponderExcluir
  3. Respostas
    1. Pena que aqui no Brasil, para variar, cobram o olho da cara por um.
      Salu2

      Excluir
    2. assim como o Ferrari mencionado na matéria... R$ 190, na melhor das hipóteses.

      Excluir
  4. Excelentes perspectivas para uma super produção de prosecco na região do Veneto para 2017.

    ResponderExcluir
  5. Di, pequeno adendo ao seu post: Os americanos nao consomem mihoes de garrafas de prosecco tabajara como prosecco puro....ao contrario, aqui vai muito para drinks. Aqueles drinks horrorosos com coisas abominaveis. Entao ao menos alguma desculpa eles tem ao comprar tanto espumante ruim (imagina que delicia o miolo local he), a desculpa de usar vinho mezza bocca no cocktail.

    Maior mercado do mundo, obesos, glutoes, com papilas gustativas adormecidas por conta de tanto sal, acucar e gordura hidrogenada.

    SDS, bastardinho.

    ResponderExcluir
  6. Concordo! Usam o Fucking-Prosecco para fazer o Fucking-Spritz e outras porcarias

    ResponderExcluir
  7. que período longo de hibernação os ursos de B&B resolveram tirar...

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir