Facebook


Pesquisar no blog

segunda-feira, 3 de abril de 2017

A RETROESCAVADEIRA

 
 


Todos os santos dias e os não santos, também, a Casa Valduga, Miolo, Lídio Carraro, Salton e outras indústrias brasileiras, de quase-vinho, poluem as páginas das redes sociais com mensagens marqueteiras.
 
 
 

Há picaretagens para todos os paladares.

A Valduga, recentemente, desbancou a Miolo no quesito: "Picaretagem-Subliminar-Refinada".

A Miolo, em tempos não muito remotos, jogou pesado para enganar os consumidores nacionais,

Para dar um toque de seriedade, em suas costumeiras picaretagens, contratou o Michel-Rolando-Lero, enólogo dos mil e um vinhos dos quatro continentes, como "garoto-picareta-propaganda".
 
 

A indústria Miolo acreditava que o enólogo gaulês, com sua quase-respeitabilidade conseguiria convencer o mercado que os vinhos "Lote 43" e "Sesmarias" fossem produtos de alto nível e comparáveis aos grandes franceses.

 Não conseguiu!

Um "Ca-Lote 43" nunca chegará à "Almaviva".....

O "Seis-Ave-Marias", "Calote 43" e outra caríssimas etiquetas, produzidas nas "Indústrias Miolo de Quase Vinhos", não galgaram nem o primeiro degrau do Olímpio e nunca fizeram companhia aos Don Melchior e Almaviva da vida.

 O primeiro e ainda maior predador gaúchos, percebeu que os otários, dispostos a desembolsar R$ 550 por um vinho nacional, estão em extinção......
 
 

A Miolo nos deu um descanso, mas a Valduga resolveu entrar de sola com todas as picaretas disponíveis no mercado e tenta se apropriar dos remanescentes eno-idiotas que ainda acreditam na suprema qualidade dos ridículos vinhos nacionais.

 Seguindo os passos da Miolo, que exumou os ancestrais para tentar a missão impossível de doar respeitabilidade aos seus vinhos, a Valduga envereda pelo misticismo, o sobrenatural e ressuscita mãe, pai, tios, irmãos, primos etc. para ver se os fantasmas da família conseguem vender garrafas gaucha por preços bordoleses.

É a "Valduga-Vinho-Zumbi...."  
 
 

A Valduga, em sua mais moderna versão, abandona a picareta e assume, de vez e sem pudor, a retroescavadeira.

Somente com retroescavadeiras seria possível tentar iludir os consumidores com dois vinhos recentemente paridos e insultuosamente caros: "Maria Valduga" e "Luiz Valduga".

O eminente casal vende caro sua eminência......  A Maria somente entrega seu ".... Bouquet elegante e intenso com notas de frutas em calda.... aromas de brioche amanteigados e pão delicadamente tostados"" por nada míseros R$ 325,27.
 

A matriarca da Valduga, com seus R$ 325,75, não consegue escapar, todavia, do machismo que impera (ainda?) na Serra Gaúcha e fica na rabeira de seu companheiro, Luiz Valduga  que revela sua ".... perfeita sinergia entre as notas provenientes do carvalho francês e os aromas frutados, resultando num bouquet complexo e sofisticado. As nuances iniciais de frutas secas e especiarias, como anis, reúnem-se aos delicados toques de frutas maduras, como cereja e ameixa. Apresenta grande evolução em taça, revelando notas defumadas, como café e tabaco" somente para os que podem desembolsar pornográficos R$ 427,34.
 

A picaretagem é sempre ou quase sempre a mesma: "... produzido apenas em safras excepcionais (hahahahaha).
Produzida, somente, 1.000 garrafas (hahahaha).

Se a "Carne Fraca" detectou que os controles do Ministério da Agricultura são falhos e que os frigoríficos burlam a lei, imaginem o grau de seriedade dos controles nas indústrias vinícolas.....

Quem controla se a Valduga produz 1.000, 5.000, 17.000 garrafas de vinho do velho Luizão?
 

Ninguém......
 

O mistério das garrafas, pasmem, é menos ridículo do que a patética tentativa ocultar as castas usadas no vinho do Luizão.

Leiam: "A Casa Valduga apresenta o vinho mais expressivo da história da vinícola, elaborado a partir de safras e varietais secretos, em edições limitadas".
 
 

A Valduga teme que os franceses descubram seu segredo?

A Valduga descobriu o caminho das pedras?

Nada disso..... A Valduga, que aposentou a picareta e está se transformando em uma enorme retroescavadeira midiática, "inventa" uma "misteriosa" mistura de castas para despertar a curiosidade dos eno-patetas.
 
 

O preço dos dois vinhos da Valduga é insultuoso e B&B quer demonstrar o assalto praticado, mais uma vez, pela predadora gaúcha.

Na próxima matéria revelarei o tamanho do assalto.

Dionísio


8 comentários:

  1. A Valduga já faz isso a algum tempo, com a publicação de seu 130 na decanter, elogiado pelo Spurrier. Aquele espumante com "aromas de chicletes tutti-frutti".

    ResponderExcluir
  2. Não duvido que eles fizeram só 1000 garrafas, pois não devem vender nem isso.

    ResponderExcluir
  3. enquanto isso, em Portugal, olhem só o nome do vinho que fizeram...

    http://adegaarruda.pt/wp-content/uploads/2016/11/Lote-44.pdf

    ResponderExcluir
  4. Será que a Miolo tem um lote em Portugal?

    ResponderExcluir
  5. Pior que a Guaspari est;a indo pelo mesmo caminho. Uma pena!

    ResponderExcluir
  6. Fiquei pasmo quando vi o vista do Chá a 198 reais.. OI?????????????????? 198 reais????????? acho que esqueceram que existem concorrentes com vinhos muito melhores custando bem menos. enfim, depois não sabem por que não vendem. Ai vc vai pra europa e encontra o mesmo Guaspari em um supermercado de bairro na alemanha custando 12 reais. Vai entender!

    ResponderExcluir
  7. O mistério pra mim é quem compra esses vinhos. Já faz uns 10 anos que não compro um vinho nacional, a não ser um ou outro espumante, quando o preço permite.

    ResponderExcluir