Facebook


Pesquisar no blog

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

FESTIVAIS? NUNCA MAIS



 Um dos primeiros , se bem recordo, foi "Cantine Aperte" (Adegas Abertas) em Rocchetta Tanaro.

Rocchetta Tanaro, pátria da vinícola Braida, despertou, à época, meu interesse e resolvi conhecer, na fonte, as famosas Barbera de Giacomo Bologna: Bricco dell'Uccellone, Bricco della Bigotta, Ai Suma....

A mulher, que me aliviara uma boa grana (não lembro, quanto) para ter acesso à degustação, me servia gotas de Barbera e narrava a história de cada pingo.
 

Eu, sedento de Barbera e não de propaganda, sai da vinícola, puto da vida, e fui beber em um bar da cidade.

Muitos outros eventos se seguiram: Festival do Barolo, Mangia Longa, Feira do Tartufo D'Alba, Festival do Cogumelo em Albaretto, Festa da Abobra em Piotto e sei lá quantos outros.

 

Cansado de comer em pé e em pratos de plástico, esperar na fila para beber dois dedos de vinho, voltar para a fila tentando conseguir mais dois dedos, chuva, sol, frio..... Chega!

Prometi jamais voltar a frequentar festas, festivais, jornadas temáticas etc.

"Barbera e Champagne"!
 

Champagne, o vinho que mais me seduz, mais uma vez me fez esquecer a promessa e lá fui eu para a festa em Agliano Terme.

Outra ferrada.

Os 40 pequenos produtores de Champagne, anunciados no folheto do evento, estavam tranquilamente jantando em suas casas em Reims, Epernay, Écuiel, Ay etc. e suas garrafas eram apresentadas por seus distribuidores italianos.
 

Eu ainda fui motivo de riso quando me apresentei ao senhor que estava arrumando as garrafas de Champagne e, falando em francês, perguntei, ao "produtor", se seria possível comprar algumas de suas garrafas.

Meu interlocutor me olhou assustado e sem entender uma palavra, gritou, em piemontês, "alguém aí fala francês?"

Desfeito o impasse caímos na risada em.... piemontês.
 

Vender, ele vendia, mas os preços.....

Compro mais barato em Santa Margherita através do meu amigo e representante, Paolo Cogorno.

Os dois dedos de Champagne, que milimetricamente eram despejados, nas taças sedentas, custavam 3,5 Euros.
 

No bar "Defilla" de Chiavari, confortavelmente sentado, uma bela taça de Taittinger, custa 8 Euros.

É sempre bom lembrar que, para acompanhar o Champagne, no "Defilla" são servidos vol-au-vent, lascas de Parmigiano, batatinhas e pedaços de verduras com salsa rosé.

Os 3,5 Euros assustavam a turma do "copo sempre cheio".
 

Tentando fugir de gastos salgados, o pessoal se esquivava do Champagne e se acotovelava nas mesas onde 60 etiquetas de Barbera eram servidas, sem cerimônia e à vontade, para todos aqueles que haviam adquirido a taça por 10 Euros.

Resultado: Perto das 19 horas já havia alguns participantes trocando pernas....
 

O pior ainda estava por vir....

A comida (8 Euros o prato), que deveria começar a ser servida às 19,30, só começou há aparecer 45 minutos depois.

Resultados: italianos, de copos cheios e barrigas vazias,  empurravam, uns aos outros e sem cerimônia,  para conseguir alguma coisa para mitigar a fome.
 

Criei coragem e enfrentei duas filas.

A primeira delas visava conseguir "Vieiras Gratinadas ao Forno".

O molho branco, da receita, escondeu, tão bem, as vieiras que não as encontrei.....

A segunda, mais compacta e agitada, se esforçava para alcançar um pedaço de coelho com creme de pimentão.
 

Quinze minutos de luta, alguns empurrões, muita paciência e finalmente o coelho correu para o meu prato de isopor e talheres de plástico.  
 

Antes que algum esfomeado tentasse roubar meu coelho procurei um canto escuro e equilibrando prato, talheres e taça, acabei devorando o pernalonga.
 

O frio cortante e o saco cheio aceleraram meus passos até o carro e...... festivais, festas, eventos : Adeus!
 
 

Três Champagne salvaram a noite: Petitjean-Pienne Grand Cru, Macquart-Lorette Couvèe Prestige, Guy de Chassey Rosé.

Ótimos vinhos que recomendo com entusiasmo.

Bacco


8 comentários:

  1. Bacco, me lembro que voce já tinha elogiado o evento em La Morra >> Mangialonga.... mudou de ideia ? Ou perdeu o encanto o evento ..? sds Maul

    ResponderExcluir
  2. Eu mudei. Há 20 anos tudo era festa e novidade, mas hoje , após ter participado e até trabalhando na Mangialonga da Borgonha e Alsásia não tenho mais saco. Quem nunca participou deveria conferir uma vez ,mas eu......

    ResponderExcluir
  3. Pensando em ir na Mangialonga de La Morra ano que vem......ainda em estudo.....

    ResponderExcluir
  4. É válido , o problema é a data: Agosto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cheio de zanzare e turista zanzare?

      Excluir
    2. Zanzare, até que em La Morra não há muitas.....

      Excluir
  5. Fala pelo frio de aproximadamente 40 graus?.....

    ResponderExcluir