Facebook


Pesquisar no blog

segunda-feira, 19 de outubro de 2015

CHASSAGNE-MONTRACHET MORGEOT



Nunca dei muita bola para os tintos da Côte de Beaune, em contrapartida, sempre e solenemente, desprezei os brancos da Côte de Nuits.

Puro preconceito, especialmente, com os tintos da Côte de Beaune.



Sei que há ótimos vinhos tintos em Pommard, Aloxe-Corton, Santenay, Volnay, Savigny-lès-Beaune etc., mas minhas preferências, nesta região (Côte de Beaune), sempre foram os excepcionais brancos ali produzidos.





Há, todavia e sempre, um momento ou um fato que nos obriga a repensar e mudar conceitos.

Os amigos, que ainda conseguem me acompanhar, já perceberam que eu não dou notas, pontos e nem me aprofundo em analises técnicas.

Há um motivo: Eu gosto de narrar o vinho.

 Para mim o vinho tem que ter uma historinha, uma narrativa, onde eu possa transmitir, ao leitor, como encontrei, quem indicou, onde bebi , se gostei , se odiei e quanto paguei esta ou aquela garrafa.

Não consigo imaginar alguém degustando 5.000, 6.000,7. 000, 12.0000  vinhos  e depois  comentá-los  (como consegue lembrar....),  julgá-los e pontuá-los usando uma escala  de 1 a 100.





Considero que a quantidade excessiva seja inútil, desnecessária e a pontuação uma palhaçada.

Vinho deve ter história!

Vamos à nossa historinha.

Em minha última passagem pela Borgonha, em companhia de meu filho, como de costume me hospedei no B&B da amiga Maria Adão.

Maria, elétrica e sorridente portuguesa, radicada ha décadas em Puligny-Montrachet, é uma das minhas fontes de informação na região.



Certo dia, no café da manhã, comentei que meu filho queria comprar algumas garrafas de Bâtard-Montrachet, mas não estava conseguindo encontrar um produtor que não o esfolasse.

"Tenho uma amiga, também portuguesa, casada com o produtor Ramonet de Chassagne. Ela sempre me vende algumas garrafas por preços razoáveis. Vou telefonar e mais tarde lhe falo se consegui o Bâtard por um bom preço".

Maria nunca falha!

Quando voltei, no final da tarde, Maria me entregou duas garrafas de Bâtard por um preço mais que razoável.

"Não consegui mais, mas minha amiga prometeu que na próxima safra vai vender quatro. Ela mandou esta garrafa de tinto para você saber que não ha só brancos em Chassagne".

Já escrevi, mas sempre é bom lembrar: Antes dos anos 1980, 80%%, dos 316 hectares dos vinhedos de Chassagne-Montrachet, eram de Pinot Noir.




Os viticultores perceberam que os brancos, das vizinhas Puligny e Meursault, vendiam mais e alcançavam preços muito mais altos do que os tintos de Chassagne.

Não tiveram duvidas: Extirparam as parreiras de Pinot Noir e plantaram Chardonnay.

Hoje as vinhas de Pinot Noir cobrem menos de 50% do território.



Confesso que raríssimas vezes provei os tintos de Chassagne e nunca me passou pela cabeça comprar uma única garrafa de Pinot Noir de Chassagne.
Sou um enófilo tonto e preconceituoso.

A garrafa, presenteada, permaneceu, quase dois meses, esquecida em minha adega de Santa Margherita.

Semana passada, dia frio, chuvoso, tipicamente outonal, pedia um tinto.

Abri o pequeno móvel, que eu chamo "adega" e vi o Chassagne-Montrachet Premier Cru "Morgeot" 2012 que pedia para ser aberto.

Naquela ocasião não desejava beber nada importante.

Não desejava um Barolo, Barbaresco, Brunello, Taurasi..... queria um vinho jovem, simples e fácil de beber.

Se mais delongas abri o Chassagne-Montrachet Premier Cru "Morgeot".
 Como sempre faço, quase mecanicamente, levei a taça ao nariz e...  Juro que quase caí sentado.



Eu desejava um vinho simples, fácil de beber, jovem, mas o Chassagne-Montrachet, que estava em minha taça, não era nada disso.

O Chassagne Montrachet Premier Cru "Morgeot" 2012 exalava aromas impressionantes, importantes, de grande complexidade e, longe de ser um vinho simples e fácil de beber, se apresentava como um grande vinho.

Aquele Chassagne-Montrachet era um dos melhores Pinot Noir já provados nos últimos tempos.

Se o Chassagne-Montrachet havia surpreendido meu nariz, na boca fez a festa e venceu minhas últimas resistências: Já não podia considerar os tintos da Côte de Beaune inferiores aos primos da vizinha Côte de Nuits.
Quem acompanha minhas críticas sabe perfeitamente que não exagero nos elogios quando encontro um vinho excepcional.


O Pinot Noir, dos Ramonet, é um vinho excepcional e que nada deve aos premiados Grands Crus da vizinha Côte de Nuits.

Quem não acreditar , quando tiver a oportunidade de conseguir algumas garrafas , prove o Chassagne-Montrachet "Morgeot" e depois me escreva.

Mais algumas considerações.....


 Não vou escrever que encontrei "frutas negras, compota de ameixas, framboesas, mirtilos, taninos domados e redondos, longa persistência" e outras bobagens, mas desejo salientar duas coisas:

1ª Bebendo, já com o devido respeito, o Chassagne-Montrachet Premier Cru "Morgeot" 2012, mais uma vez constatei o quanto os franceses são mestres no bom uso da barrique.




Enquanto os americanos, italianos, portugueses, chilenos, argentinos, australianos etc., quando usam a barrique, produzem madeira suco de madeira que chamam de vinho, os franceses, vinificando com a barrique, produzem vinhos com gosto de vinho.

Os franceses usam a madeira, sim, mas com tamanha maestria e inteligência que seus vinhos adquirem elegância e classe inigualáveis sem que a madeira seja agressivamente percebida.



 Os inimitáveis "vignerons" gauleses deixam, para os pobres imitadores, a eterna frustração da incompetência.

2ª Fui bebendo, o Chassagne-Montrachet Premier Cru "Morgeot" 2012, ao longo de vários dias.

Em nenhum momento o vinho deu sinais de "cansaço", oxidação e não perdeu nenhuma de suas principais características.

No quinto e ultimo dia, bebendo o derradeiro copo, me deu uma vontade louca de botar o carro na estrada e rumar até Chassagne-Montrachet.

Não deu ,mas......


Bacco




13 comentários:

  1. caramba, Bacco. com três anos, esse vinho já estava tudo isso? imagino com sete, oito...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já estava pra la de tudo isso. Com 7 ou 10 anos ...vou tentar comprar uma garrafa e relato.

      Excluir
  2. Ba,

    pode-se saber como ou onde vossa insolencia manteve o vinho durante os 5 dias? So com rolha dentro da geladeira, rolha mais adega, algum aparato para sacar o ar, ou alguma bomba peniana de vacuo?

    SDS

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande Ratazana , o vinho ficou 5 dias na adega , com rolha e sem bomba de tirar ar.A ultima bomba de tirar ar da Italia foi comprada pela Dilma para estocar vento.Falando sério: O vinho ficou num móvel . É bom esclarecer que o clima , aqui, está mais para o frio (16/18º)

      Excluir
  3. Bacco, você trata especificamente de um Chassagne-Montrachet Premier Cru Morgeot dos Ramonet. Você acha que isso pode ser estendido para outros produtores de lá? Dá para encontrar aqui no Brasil um de outro produtor.
    Sds

    ResponderExcluir
  4. Acredito que outros produtores possam vinificar tão bem o mesmo vinho . Quando voltar à Borgonha vou provar outras etiquetas. Entre no site das importadoras e pesquise
    Abç

    ResponderExcluir
  5. Toda vez que alguem comenta, mesmo com razao, que os franceses sao isso ou aquilo no mundo vinho (positivamente falando), eu ja sinto aquele aumento nos preços dos vinhos. Frances é bom para por no preço qualquer sinal de elogio, mesmo discreto. Historia e tradicao tem um peso que eles enxergam com outros oculos.

    Frances cara de pau esta nos vinhos bem mezza bocca que custam bem mais que os bons portugas, espanhois e ate alguns italianos. Mas nao serei eu com minha importacao de 200 garrafas ano que vou bota-los no devido lugar. Deixo isso para o proximo George Soros do vinho.

    Andiamo...

    ResponderExcluir
  6. Se esse vinho não tiver notas de flores azuis, não adianta.

    ResponderExcluir
  7. É verdade Os franceses sabem se vender bem e cobrar melhor
    bacco

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os franceses podem até cobrar bem pelo que fazem. No entanto, fazem bem. O pior é ver esse monte de vinho Argentino e Chileno a preços exorbitantes, e que não chegam aos pés dos bons franceses (ressalte-se: Bons franceses).

      Excluir
  8. Cacilda! Até os portugueses estão começando a fazer coisas malucas:

    http://www.blogvinhotinto.com.br/destaquesdoblog/vinicola-portuguesa-submerge-30mil-garrafas-para-criar-o-vinho-da-agua/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa picaretagem já foi feita , também na Itália . Leia
      http://baccoebocca-us.blogspot.it/2014/12/o-vinho-do-capitao-nemo.html

      BACCO

      Excluir