Facebook


Pesquisar no blog

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

VIVA OS ENO-OTÁRIOS


 


Qual o vinho mais caro que já comprei?

Os 16 obstinados leitores que ainda nos acompanham na quixotesca jornada de desmistificar os “críticos-bocas-livres”, que surgem como cogumelos no mundo do vinho nacional, sabem perfeitamente que meu teto atinge, no máximo, 100 Euros por uma garrafa prestigiosa.
 
 
 

100 Euros é meu limite porque não acredito que uma garrafa possa custar mais do que isso, aliás, 100 Euros já é um exagero.

Não deveria nem poderia, mas quando até no Brasil são produzidos “quase vinhos” que custam mais de 100 Euros é natural que eno-otários, bebedores de etiquetas, não hesitem, nem um segundo, em desembolsar qualquer quantia para obter garrafas premiadas com 90 –95-98 -100 “pakerianos-pontos”.
 

Uma única vez gastei 200 Euros por uma garrafa (comprei duas) de Montrachet e quase implorei para comprar.

Porque gastei tanto assim?

Seria uma falha enorme se eu não me familiarizasse com o vinho considerado o top da casta.

O preço pago foi “barato” graças à interferência do Massimo Martinelli.

O Montrachet, nas lojas, custa 350/550 Euros.

200 Euros por um Montrachet não é uma loucura especialmente se levarmos em conta o seguinte: O Grand Cru Montrachet é uma área de 7 hectares,99 ares e 80 centiares localizada em Puligny-Montrachet e Chassagne-Montrachet.
 

O terreno pertence a 18 viticultores e 26 são os engarrafadores.

Os números não batem?

Acontece que vários proprietários arrendam suas propriedades para vinícolas que cuidam das vinhas desde a poda até a vinificação e recebem, como pagamento, parte do vinho já pronto e etiquetado.

A percentagem de cada um é um mistério.

 50% das vinhas do Montrachet estão na mão de três proprietários: Marquês de Laguiche abocanha quase 2 hectares (as uvas são colhidas e vinificadas pela vinícola Drouhin).
 

A Domaine Baron Thénard é dona de pouco mais de um hectare.
 

A Maison Bouchard Père & Fils possui um pouco menos de um hectare.


A última transação imobiliária, de que se tem notícia, foi realizada em 1993 quando o Château de Puligny comprou 428 m² de vinhas no Montrachet pela bagatela de 540 milhões de francos (533 mil Euros atuais).

O preço das 40/48 mil garrafas anuais de Montrachet são disputadas por centenas de milhares de apreciadores, daí seu preço exorbitante.

A pergunta que quero fazer é a seguinte: Quem é o maior eno-asno?
 

Aquele que compra uma garrafa de Romanée-Conti por 15.000 Euros ou aquele que adquire uma de Montrachet, da mesma vinícola, por 4.500 Euros?

Para mim, ambos merecem o prêmio de eno-toupeiras do ano, mas o mais idiota é, sem dúvida, o eno-anta que comprou o Montrachet de 4.500 Euros.

Explicando: O Romanée-Conti, é um “monopole” (LaTâche também é), ou seja, pertence, em sua totalidade, à Domaine de La Romanée-Conti e não tem “concorrentes”.

O viticultor vizinho (2 metros) vinifica um vinho tão bom quanto, mas não conseguiria, jamais, vender seu Vosne-Romanée pelo preço de uma garrafa de Romanée-Conti.

No Montrachet a realidade é outra.

Um dos vizinhos (mesma fileira) da Domaine de La Romanée-Conti é a Domaine Marc Colin et Fils
 

Marc Colin é um excepcional viticultor de Saint-Aubin e seu renomado Montrachet pode ser encontrado, nas lojas, custando um décimo do irmão vinificado pela Domaine de La Romanée-Conti.
 

É bom salientar que 99,99% dos que compram o Romanée-Conti, ou um Montrachet da mesma Domaine, não sabem identificar o que estão bebendo.

Compram pelo status que a etiqueta lhes confere, mas não os distinguiriam de um Gevrey-Chambertin ou de um Blanchot-Dessus.

Pagar 4.500 Euros por uma garrafa de Montrachet é uma demonstração de desprezo pelo dinheiro.
 

Confesso que ao tomar conhecimento da montanha de dólares que os corruptos do "petróleo" concordaram em devolver aos cofres do estado, cheguei à conclusão que o eno-otário sou eu

Viva os eno-otários!

12 comentários:

  1. Concordo com vocês! 100 euros também é o meu limite, mas confesso que também já o extrapolei com uma garrafa de Vega Sicília que me custou 190 euros.

    ResponderExcluir
  2. Bom dia amigos !
    É muito bom ler algo escrito por quem realmente conhece o assunto , que é complexo , porem é tratado sem mistificações . Aqui no Brasil as pessoas acham chique pagar R$ 100,00 em uma garrafa de vinho , que na origem custa R$ 12,00. Tem muita gente aqui pagando R$ 90,00 o Kg da Picanha e teoricamente entendemos de carne , agora imagina uma bebida que não dominamos muito bem ?
    Abraço,
    RZR.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É o Brasil "maravilha" é o Brasil do consumismo irracional

      Excluir
  3. As cegas com 30 vinhos o fulvia pinot noir muito provavelmente bateria o romanee conti ! Então vamos comprar o fulvia e dane-se o romanne

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim! Na mesma linha poderíamos dizer que o "Champanhe"Peterlongo bateria o Paul Bara, o Singular Nebbiolo da Carraro bateria o Bruno Giacosa, o Chardonnay da Francioni arrasaria o Dents de Chien do Morey.......

      Excluir
  4. E o barbera de cocalzinho com certeza bateria o barbera do mascarello !

    ResponderExcluir
  5. O Didu no seu último Aprendiz de sommelier mandou a turma ir trabalhar com parafuso kkkkk

    ResponderExcluir
  6. http://www.didu.com.br/2015/02/o-aprendiz-de-sommelier-harmonizacao/

    ResponderExcluir
  7. Ha eno-otarios e eno-lava-dinheiro. Com tantos milhoes de €€ e $$ circulando podremente de Brasilia a Shenghai e Beijing os caras tem que pegar as malas de dinheiro e gastar com alguma coisa.

    Ja pensou que delicia ser o fornecedor preferido de vinhos dos congressistas coroneis e dos congressistas do partidao chines? Ou indiano?

    Como sera vender vinho para a casa da familia Sir Ney?

    ResponderExcluir
  8. Vc deveria ver o que há de RC nas adegas brasilienses

    ResponderExcluir
  9. Olá B&B, matéria antiga mas pertinente. Estava lendo porque estou às vésperas de comprar uma garrafa de "Le Montrachet" do Louis Jadot, safra 2003 e outra de "Batard-montrachet" do mesmo produtor e mesma safra. Os preços: 465 dólares e 285 dólares respectivamente. Minha pergunta é: vale o preço? Pelo menos em comparação com o Brasil os preços são bons.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  10. O Montrachet não tem preço: Achou comprou. $465 ou $500 tanto faz (ainda mais 2003),já o Batârd está um pouco salgado. Se vc comparar com os preços no Brasil , são de graça

    ResponderExcluir