Facebook


Pesquisar no blog

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

NÚMERO 1 OU 1.235.567.467.01?


Agora, ludibriar os consumidores oferecendo vinhos premiadíssimos, raríssimos, magnificentíssimos, superlativíssimos, exclusivíssimos, de pequeníssima produção e preços absurdíssimos, virou, definitivamente, “modissima” .
 

 

O embuste começou, se não erro, com o “famoso” Lote 43 da Miolo.

A Miolo inventou um vinho caríssimo alegando que era produzindo com uvas colhidas no lote 43.

O lote 43 foi doado, ao imigrante e patriarca da família, Giuseppe Miolo, quando de sua chegada ao Rio Grande do Sul.

Nunca pude entender muito bem por que o lote 43, repentinamente, passou a produzir uvas tão raras e tão caras que em estado líquido custam R$ 130.

O patriarca, lá do além, resolveu abençoar aquele rincão?

O departamento de marketing da Miolo e o enólogo francês Roland-Lero   se uniram e inventaram mais uma de suas muitas sacanagens?

Não sei, mas sei que a moda pegou e uma avalanche de eno-sacanagens invadiu o mercado nacional com preços que somente diretores da Petrobras podem gastar sem chorar.

Exemplos:

Pericó Icewine (200ml) - R$ 178,20
Cave Geisse Brut 1998 R$ 700,00

Miolo Semarias 2011 - R$ 295,00
Lídio Carraro Singular Nebbiolo R$ 258,70
Pizzato DNA 99 Single Vineyard Merlot R$ 251,60
Don Laurindo Gran Reserva 80 anos - R$ 240,00

A lista continua e se encerra, por enquanto, com o MERLOTONE, da vinícola Argenta-ria, que custa pornográficos R$ 290,00.

Eu disse por enquanto?

Pois é....... A Perini, aquela vinícola gaúcha que produz o pior Barbera que há na face da terra, resolveu entrar nos mercados dos “eno-babacas-nacionais” e lança sua eno- sacanagem: “PERINI Nº 1” por ínfimos R$ 190,00.

Aviso aos eno-babacas: Corram, corram, corram, pois a Perini produziu apenas 600 garrafas dessa preciosidade.

Aliás, “reduzidíssima quantidade produzida” é quase sempre a desculpa que os predadores gaúchos de vinho encontram para justificar os escandalosos preços.

Mais uma vez declaro que no Brasil não há controle algum e as vinícolas podem etiquetar 600, 6.000, 60.0000 ou quantas garrafas forem necessárias, sem serem molestadas por nenhum órgão controlador.
 

A exclusividade e não a qualidade, então, é a justificativa encontrada pelos eno-sacanas-gaúchos para cobrar preço altíssimos?

Que dizer, então, das reais 180 garrafas que Luciano Capellini produz, em Volastra, do fantástico “Vin de Gussa” e que vende por 22 Euros?
 

Que dizer, então das verdadeiras 280/300 garrafas de Criots-Bâtard Montrachet que Denis e Alexandra Blondeau-Danne produzem e vendem por 60 Euros?

Estou escrevendo sobre dois vinhos fantásticos, raros e que os clientes reservam com anos de antecedência.

A Perini, que nem sabe vinificar um Barbera decente, não parece ser confiável para produzir um espumante que custe R$ 190,00.

Se há inúmeros idiotas que ainda votam em Maluf, haverá 600, 6.000 ou 60.000 idiotas que se orgulharão em comprar um Nº 1 da Perini por R$ 190

Dionísio
 

OS. Aguardem o lançamento das 300 garrafas do premiadíssimo, exclusivíssimo, disputadíssimo, insuperabilíssimo, magnificentíssimo “Cantina da Serra Reserva Especial” por razoáveis R$ 175,87.


 

 

13 comentários:

  1. Saudades das criticas dos restaurantes de Brasilia.

    Acredito que estão com medo de encarar os restaurantes de Brasilia, e estão cozinhando em casa, se sim poderiam disponibilizar algumas receitas....

    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. eu pensei a mesma coisa quando li isso...

      http://sites.correioweb.com.br/app/noticia/encontro/revista/2014/09/09/interna_revista,1493/limoncello-ristorante.shtml

      Excluir
    2. Criticar os restaurantes de Brasília é fácil: Com algumas raras exceções são todos uma ........
      Vamos disponibilizar algumas receitas que Bocca experimentou na Itália.

      Excluir
  2. Continuo a receber emails ofertando o merlotone. 600 gfs que dao cria.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vc vai receber até eles escoarem as 600.000 garrafas produzidas

      Excluir
  3. mais lenha para a fogueira do patriotismo?

    http://oglobo.globo.com/blogs/enoteca/posts/2014/09/08/os-sete-de-setembro-uma-selecao-de-vinhos-brasileiros-de-dar-orgulho-548998.asp

    ResponderExcluir
  4. e o que dizer desse aqui?
    http://oglobo.globo.com/blogs/enoteca/posts/2014/09/02/arqueologia-de-prateleiras-ou-loteria-que-achar-um-vinho-antigo-548147.asp#comments

    Don Giovanni 2002 (R$ 18,90)
    "Por isso, o aroma chegou a me fez lembrar de certos monumentos enológicos, como um belo Porto, pelas notas oxidativas, além de Barolo e Gevrey-Chambertin, e até evoquei um Château Cheval Blanc ao perceber o perfume delicado, cheio de nuances, pura sedução no aroma de flores secas, alcaçuz, terra, cogumelos, insinuações defumadas, compotas cítricas de laranja, um odor de natureza morta, umas tangerinas maduras tangenciando a boca."

    Ah, nada como um vinho com odor de natureza morta que faz lembrar de Porto a Borgonha, passando por Barolo e Cheval Blanc. Pura sedução.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Viram a foto da rolha destruída e da filtragem? Filtro Melitta. hahahaha.

      Excluir
  5. Que é o asno? Mais um paladar de inox no mercado?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Asno? Desculpa, asno eh um animal util, e levemente inteligente.

      Esse jumento que escreve essas m (m de merda) nao merece meia sinapse minha.

      Lixo, completo lixo.

      Bastaria escrever que o vinho foi uma surpresa pela tempo, pela safra, oh que mundo bom. Mas nao, resolveu falar em ''notas oxidativas'', barolo, porto.

      Nota oxidativa = eufemismo para vinho quase morto de jornalista (com diproma???) suspeito de super faturar criticas.

      Lixo.

      Excluir
    2. Calma, Joãozinho! Você está em uma idade de risco. Se continuar assim vai comprometer seu coraçãozinho. Deixa o cara escrever besteira, tomar vinho vencido e influenciar um monte de bobos a comprar vinho nacional de mais de 10 anos em prateleiras de supermercado.

      Excluir
  6. A revista adega fez uma reportagem sobre as famosas 600 garrafas do merlotone. Opa! ainda tem. O mais interessante foi a descrição da produção do vinho: num casarão de 1931 onde redes foram adaptadas para desidratação das uvas, paredes duplas para desidratação, dispostas cacho a cacho por 43 dias... e segue! Pai do céu parece um manual de alguma coisa. Tipo assim perder a virgindade na década de 30.

    ResponderExcluir