Facebook


Pesquisar no blog

quarta-feira, 4 de junho de 2014

CHAMPAGNE É CARO?


 

Champagne não é exatamente barato ....

 É sempre bom lembrar que as etiquetas mais badaladas, especialmente as de antigas safras (millésimé), custam cifras fora do alcance da maioria dos enófilos.

Mas, assim como nos grandes tintos, ou brancos, uma boa pesquisa ajuda, e muito, a encontrar garrafas, relativamente baratas e de ótima qualidade, que pulverizam os caríssimos Champagne produzidos, pelas grandes maisons.

Meu amigo Paolo Cogorno, representante de vinhos para a Ligúria.

Garimpando, em seu rico catálogo, entre outras preciosidades é possível encontrar algumas etiquetas de estupendos Champagne de pequenas vinícolas.

Paolo, é também um grande conhecedor do borbulhante vinho.

Conhecendo a minha paixão, pelo Champagne, o amigo não se surpreendeu quando pedi para comprar alguns Champagne de sua longa lista.

Paulo dispõe de dezenas de etiquetas, mas conhecendo minhas preferências e gostos, escolheu 3 pequenos produtores e me vendeu duas garrafas de cada um deles.

2 “Le Mont Benoit Extra Brut” Emmanuel Brochet
 

2 “Reseve Brut” Berechet et Fils
 

2 “Blanc de Noirs L’Ouvertoure Brut” Daniel Savart.
 

Antes que alguém comece queixosa ladainha de que eu somente comento vinhos impossíveis de serem encontrados, quero esclarecer, definitivamente, algumas coisas:

 B&B não é um blog redundante.

B&B não comenta La Tache, Sassicaia, Masseto, Ornellaia, Petrus etc. assim como não se pronuncia nem dá dicas de Paris, Veneza, Barcelona, Roma ou outras cidades badaladas, “obrigatórias” e que devem ser visitadas por todos.

B&B não tem nada a acrescentar ao que já foi escrito sobre as cidade e vinhos acima citados.

B&B escreve para o turista que já não aguenta Paris/Don Pérignon, Bordeaux/Petrus, Florença/Ornellaia, Beaune/Romanée-Conti, Alba/Barbaresco Gaja.

B&B escreve para turistas e enófilos inteligentes, que buscam algo que vá além das manjadas e caras etiquetas....

Os vinhos que comento, garanto, valem uma pesquisa, nem sempre fácil ou imediata, mas sempre compensadora e gratificante, assim, como foi para mim, gratificante descobrir e beber os Champagne indicados por Paulo Cogorno.

O próprio Cogorno me revelou algumas características de cada um dos três produtores.

SAVART:

Fréderic Savart produz 50.000 garrafas de Champagne com uvas provenientes de seus 4 hectares de Pinot Noir e 2 de Chardonnay.

De suas etiquetas provamos o “BLANC de NOIRS L’OVERTURE BRUT”.

Vinho elegante que se faz beber com facilidades. Apresenta notas cítricas, uma boa persistência na boca, não cansa.

O indicaria como ótimo aperitivo.

Você, que tem orgulha do “Maria Valduga Espumante Brut” que está bebendo e que pagou importantes R$ 130, por favor não ria do meu Champagne “BLANC DE NOIRS L’OVERTURE BRUT” e dos míseros 25 Euros (r$ 80) que me custou, afinal o Savart não tem nenhuma Maria para sustentar......

 

BERECHE ET FILS

Esta vinícola, também familiar, produz seus Champagne com uvas colhidas em vinhas de propriedade na cidade de Craon de Ludes.

De seus 3,25 hectares de Pinot Noir, 3 de Chardonnay e 2,25 de Pinot Meunier, saem 85.000 garrafas anuais.

O ‘RESERVE BRUT” vinificado com 30% de Pinot Noir, 35% de Chardonnay e 35% de Pinot Meunier é uma joia de raro valor.

Fresco, intrigante, que munda constantemente, é de difícil avaliação.

Se tentasse “explicá-lo” poderia cair num ridículo igual ao dos nossos críticos e sommerdiers que eu tanto condeno.

O Champagne do Bereche é uma belíssima amostra daquilo que os pequenos produtores da região conseguem vinificando com seriedade e competência.

Grande garrafa que me custou 26 Euros (R$ 83).

Você que recebeu a lavagem (ou será imundice?) Cerebral, acredita que nossos espumantes são de alta qualidade, acha normal ter pago R$ 115 por um Charmat da Chandon, “Excellence Couvée Prestige”, não sente vontade de pedir à multinacional o reembolso do seu dinheiro?

Faça melhor: Pare de beber aqueles caríssimos espumantes nacionais até que os predadores diminuam suas hiperbólicas margens de lucro.  
 

EMMANUEL BROCHET.

Na pequena aldeia de Villers-Aux-Noeuds, próxima de Epernay, encontramos a vinícola de Brochet.

 Nada além de 2,5 hectares de Pinot Noir, Pinot Meunier e Chardonnay que doam uma limitada produção anual; algo em torno de, 6.000 garrafas.

Seu “LE MONT BENOIT”, pequena e rara joia enológica, é vinificado com 40% de Pinot Meunier, 35% de Pinot Noir e 25% de Chardonnay. Assemblado com 80% de vinho da safra de 2008 e 20% da safra de 2007.

A dosagem é de 4% e a gradação alcoólica de 12,5°.

Um Champagne de incrível fineza, elegância.

Cítrico, mineral, com uma cremosidade e uma persistência impressionante na boca.

Para mim, o melhor dos três;

O preço?

Você, que está sentado bebendo uma taça de espumante e tentando encontrar algo que justifique os R$ 700 que pagou pela garrafa Magnum (uma garrafa de 0,750 custaria R$ 350) do “Cave Geisse Brut 1998“, provavelmente, terá um acesso de ira ao ser informado que paguei 38 Euros (R$ 120) pelo “LE MONT BENOIT”.
 

Já sei, já sei! Os impostos são elevados no Brasil e encarecem os quase vinhos nacionais...... Na França não há impostos!

Bacco

  

 

 


11 comentários:

  1. Vou procurar algum dos indicados na próxima viagem.

    ResponderExcluir
  2. Bacco, bom dia,
    Conheci seu blog ontem e ja li mais de 15 artigos. Não conheço absolutamente nada sobre vinhos e, por isso, este site está sendo de enorme fonte de conhecimento introdutório.
    Tentei procurar no espaço de busca sobre espumantes, mas não encontrei muitas sugestões. Por ser novo aqui, não sei se você tem alguma postura em não indicar algo aqui do Brasil, mas estou precisando de uma dica: Me casarei no ano que vem e, por conta da limitação de verba, estou a procura de um bom espumante com um ótimo custo benefício. Ja estou a par de fugir dos nacionais, porém, creio que há muitas armadilhas estrangeiras tambem. Poderia me ajudar?

    Alias, ja pensou em fazer alguns posts sobre bons custo x benefício que podemos encontrar nas prateleiras brasileiras?

    Muito obrigado e parabens pelo conteudo daqui!

    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcelo, moro na Itália e não posso lhe ajudar muito.. Os espanhois e os portugueses (alguns) sao decentes e não tão caros . Tente este caminho. Custo beneficio ? Pegue um avião , venha para a Europa , encha as malas e .... CIN CIN>
      Falando sério, procure constantemente nos catálogos das importadoras e poste me informando os preços. Na medida do possivel, vou tentar ajudar.

      Excluir
    2. Bacco, que boa surpresa pela resposta!

      Darei uma olhada nas opções das importadoras e mandarei uma lista aqui. Estava pensando em um preço de 30 reais a garrafa, será que consigo algo razoável com esse valor?

      Quanto à ideia da viagem à Europa, creio que não seria aplicável para o meu caso em específico, ja que terei que comprar umas 100 garrafas no mínimo, teria que levar a família inteira para conseguir atender ao limite! Se bem que não seria uma má ideia... o ruim seria voltar pra este país... hahah
      Mais uma vez, obrigado pela atenção! Tentarei não abusar muito da sua boa vontade.

      Abraços

      Excluir
    3. Por 30 R$ vc vai matar de diarréia seus convidados. Diminua, sed puder a quantidade ,mas aumente a qualidade. acredito que garimpando em supermercados importadoras vc conseguirá encontrar garrafas razoáveis por 50/70 R$
      abç

      Excluir
    4. Caros,
      Encontrei uma pagina do site da veja (eu sei... Nada confiável) que falava de uns espumantes portugueses. Gostei do preço de um deles e fiz uma pesquisa no distribuidor. Segue as opções que me deram (pedi na faixa de 40 a 50 reais). Tem algum bom ai?

      Espumante Reserva Neto Costa R$ 43,00gfa

      Prosecco La Gioiosa Doc Treviso R$ 40,00gfa

      Prosecco Villa Sandi Il Fresco R$ 41,60gfa

      Espumante Villa Sandi Il Fresco Rose R$ 41,60gfa

      Continuarei procurando mais opções.


      abraços e obrigado!

      Excluir
    5. Os Villa Sandi são Prosecco que não fazem feio. A garrafa é bonita e causa boa impressão

      Excluir
    6. Bacco,

      Estava pensando em dividir entre prosecco e lambrusco. Confesso que não sei muito a diferença de ambos, muito menos se dividi-los no meio de uma festa pode gerar algum desconforto, mas 41 reais a garrafa do prosecco fica um pouco pesado pra gente, considerando que teremos outras bebidas.

      Neste sentido, voce acha que comprar um Lambrusco Montecchio (que está 21,15 a garrafa) faria sentido ou só pioraria o evento, sendo melhor diminuir o prosecco?

      Abraços e obrigado novamente.

      Excluir
    7. MIsturar Lambrusco com Prosecco é foda......

      Excluir
    8. Desistimos de comprar o prosecco, eu achei muito bom mas a minha noiva achou que o pessoal nao conseguirá beber muito...

      Acho que iremos de lambrusco mesmo... o pessoal vai encher a cara e não lembrará do rotulo, só tentarei pegar um que as pessoas não passem mal.

      Mas obrigado pela ajuda, Bacco!

      Alias, abusando da sua boa vontade, vinhos chilenos nem pensar? Estou indo neste final de ano pra la.

      Abraços

      Excluir
  3. Ótimo, então vai ser esse mesmo! Bom que encontrei relativamente rapido!

    Retorno aqui para falar sobre o evento.

    Obrigado pela ajuda!

    ResponderExcluir